segunda-feira, 2 de maio de 2016

No Sanatório

Haviam quatro internos ao redor de uma mesa no refeitório de um sanatório qualquer. Quando após um silêncio inquebrável um deles perguntou para aquele que estava em sua frente:

- O que você fazia da vida antes de vir pra cá?

- Sou médico. - Disse um senhor aparentemente perturbado.

- O que você fez para merecer estar neste lugar?

- Não sei ao certo, mas eu estava operando um paciente em casa quando me prenderam. Ele parecia meio sem vida antes de opera-lo, não pude salva-lo. - Explicou o louco.

O rapaz estava com um olhar vazio, bem ao lado daquele que havia puxado a conversa, assim ele repetiu a pergunta para ele.

- E você? O que faz da vida? 

- Não irá te responder. - Disse o homem em sua diagonal.

- E porquê não? - Perguntou.

- Ele torrou o cérebro com drogas fortes. Além disso nosso amigo que está em sua frente é um assassino sociopata. E antes que você me pergunte irei facilitar para você; fui preso aqui porquê sou ninfomaníaco agressivo, estou aqui para escapar da prisão! - Exclamou o homem raivosamente.

- Eu sei de tudo isso. - Disse calmamente.

- Então com que propósito você enche a minha paciência?

- Eu pergunto por conta da minha curiosidade de saber a visão que as pessoas tem de si mesmas, em relação do que elas realmente são. - Respondeu.

- O que esperava ouvir de um bando de loucos? Claro que são imagens distorcidas! Eu só não tenho esta imagem distorcida de mim mesmo porquê não sou maluco! - Disse aos berros.

- Sou escritor, estou aqui porquê tenho a impressão de que as pessoas não entendem os meus textos. Quando na verdade eles servem para reflexão.

Chamou um dos guardas que estavam por lá e Ele colocou um gravador na mesa.

- O que está fazendo? - Disse o homem antes furioso.

- Eu quero liberdade e justiça, nada mais libertador e justo do que você ir para o lugar onde você deveria estar. Além disto me tirar daqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Fique à vontade para exibir sua opinião e deixe o link de seu blog/site também. Abraços Randômicos!