quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Escrevendo: Textos vazios.

Olá caros leitores e escritores. Estou aqui hoje para escrever um texto sem sentimentos e sem conteúdo.

Brincadeirinha, hoje irei falar um pouco sobre os diversos textos que encontramos na internet e muitos deles são encomendas dos clientes; seja pra vender um produto ou apresentar um curso. Mas então qual seria a solução para capturar o leitor com a demanda que se tem nos dias de hoje; diversos cursos, e-books, infoprodutos e produtos convencionais. Como venderei a minha marca sem beirar o sensacionalismo que um escritor em busca de dinheiro pode fornecer? Isto exige uma mudança de paradigma, pois vender um produto não é descrever friamente as suas qualidades ou o que você vai aprender naquele curso. Quem escreve sobre um produto a ser vendido deve antes experimentar a sensação de ser cliente, pois sem esta experimentação não haverá profundidade em seu texto. Não que eu ache que meus colegas de oficio não deveriam escrever estes textos, mas que a empresa que os contrata deveria realizar a experimentação do cliente com quem irá escrever o texto sobre os seus produtos.


Já fui em varias entrevistas e também obtive vários relatos de profissionais de venda expostos ao seguinte "desafio"; o entrevistador fala o seguinte:


"Venda esta caneta, pode inventar qualquer qualidade especial para ela e usa-la como argumento."


A minha concepção de venda é inversa; você deve estudar as qualidades e defeitos de seu produto e desenvolver os argumentos sobre um produto real, isto dá veracidade e profundidade ao argumento de venda ou ao texto informativo de venda (carta de vendas). É inconcebível para mim, tanto como escritor quanto profissional de vendas, que existam vendedores que possam se basear em percepções superficiais sobre o produto. Para tudo que se fala e escreve deve haver estudo sobre o assunto abordado, caso contrário será muito difícil angariar novos clientes para determinado curso ou produto. E outra coisa que se deve ter em mente; se um texto não chamou a atenção do cliente, esta atenção não merecia ser capitada. Pois das duas uma; o seu produto não interessa para aquele tipo de cliente (a maioria das empresas acreditam nesta hipótese) ou seu texto não traz a experiência verdadeira de alguém que experimentou tal produto ou curso, pois não traz conhecimento e conteúdo para que o cliente em questão tenham informações solidas para tomar a decisão. O resultado disso é que o cliente não compra o produto ou ainda compre e crie mais expectativa do que ele cumpre, tornando-se inferior na visão do cliente em relação àquele produto que foi mais condizente com o seu desempenho descrito em textos publicitários, cartas de venda ou vendas diretas.


Não sei escrever um texto sem estudar minimamente o assunto, confesso que gostaria de ter esta habilidade. Mas pensando melhor; quem escreve e fala sobre aquilo que estuda, garante maior confiabilidade em sua fala e escrita e portanto tem os pés bem presos ao chão e não cai em textos vazios onde poderiam ser iludidos a comprar um produto potencialmente enganoso.


Gostaram do post? Curtam, comentem e compartilhem!


Abraços Randômicos à todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Fique à vontade para exibir sua opinião e deixe o link de seu blog/site também. Abraços Randômicos!